O grupo interinstitucional NEVE (NÚCLEO DE ESTUDOS VIKINGS E ESCANDINAVOS, criado em 2010) tem como principal objetivo o estudo e a divulgação da História e cultura da Escandinávia Medieval, em especial da Era Viking, por meio de reuniões, organização de eventos, publicações e divulgações em periódicos e internet. Parceiro internacional do Museet Ribes Vikinger (Dianamarca), Lofotr Viking Museum (Noruega), The Northern Women’s Art Collaborative (Universidade de Brown, EUA), Reception Research Group (Universidad de Alcalá) e no Brasil, da ABREM (Associação Brasileira de Estudos Medievais) e PPGCR-UFPB. Registrado no DGP-CNPQ. Contato: neveufpb@yahoo.com.br

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Como cursar mestrado em estudos nórdicos no Brasil e exterior



COMO CURSAR MESTRADO EM ESTUDOS NÓRDICOS NO BRASIL E EXTERIOR





Com a popularidade da temática nórdica no Brasil, vem crescendo a procura por orientações e pesquisas a nível de pós-graduação em Escandinavística. Esse pequeno guia visa fornecer alguns parâmetros para os interessados, sendo constituído de duas partes: primeiramente fornecemos algumas dicas para a elaboração de um projeto na área, depois algumas indicações de programas e orientações no Brasil e exterior.




O PROJETO EM ESCANDINAVÍSTICA



Como em qualquer projeto para mestrado em Ciências Humanas, a pesquisa deve envolver alguns elementos básicos e imprescindíveis: problemas investigativos, hipóteses, teoria e metodologia. Uma síntese ideal da estrutura pode ser vislumbrada neste site da UFJF e de forma mais detalhada e técnica neste outro site. A abordagem e seleção das fontes primárias vai variar conforme a área de pós-graduação pretendida, mas ela é sempre um ponto fundamental em qualquer pesquisa envolvendo Escandinavística. É necessária uma atenção especial no uso de traduções e nas seleções da bibliogrqfia secundária (como foi alertado na matéria: Traduções e esoterismo na Mitologia Nórdica: alguns cuidados). Outra questão que o pesquisador deve estar atento é a adequação dos objetivos e metodologias da pesquisa com relação à linha de pesquisa do programa pretendido – fundamental para o sucesso na seleção. Isso é geralmente obtido quando o interessado mantém um contato prévio com o orientador almejado do programa, antecipadamente ao processo seletivo. A questão teórica e metodológica é igualmente muito importante. O grupo NEVE pretende futuramente publicar uma obra derivada de um curso de extensão ministrado na UFPB: Teorias e métodos da Escandinavística, mas por enquanto existem alguns estudos neste sentido (Teorias e métodos para oestudo da Mitologia Nórdica e A religião nórdica antiga: conceitos e métodos de pesquisa). A originalidade da pesquisa valoriza qualquer pretensão a uma seleção e o candidato pode investigar os temas das dissertações e teses escandinavísticas já defendidas no Brasil, a  exemplo desta tabela das defesas até 2018:


O candidato também deve evitar temas/títulos muito genéricos e vagos para os projetos, como o tradicional “Cristianização da Escandinávia”, recorrente em várias seleções pelo país. Seja para a área de História, Letras, Ciências das Religiões ou afins, a especificidade do objeto, espacialidade e temporalidade é fundamental. Uma investigação em fonte literária também precisa ser bem demarcada, como em “As influências da Mitologia Nórdica na obra Silmarrilion de Tolkien”, por exemplo, e no projeto, a delimitação torna-se mais precisa com o uso de objetivos secundários (uma média de 4 a 5). Maiores definições do objeto de pesquisa, das fontes a serem utilizadas, da bibliografia secundária/analítica, das metodologias e instrumentos de pesquisa devem ser definidos antecipadamente com o orientador do programa almejado e refinado posteriormente, com a entrada no programa e o cursar das disciplinas teóricas que poderão ser ofertadas.  O NEVE possui um arquivo online de dissertações e teses defendidas na área, que podem ser consultadas aqui.





PROGRAMAS DE PÓS GRADUAÇÕES NO BRASIL



Nosso país não possui um programa de pós-graduação (lato sensu ou stricto sensu) específico em estudos nórdicos. Também a maioria dos programas não possui disciplinas regulares em Escandinavística (com exceção da UFPB). O interessado deve inscrever-se na seleção de alguma área específica em Ciências Humanas, com um projeto de pesquisa envolvendo algum tema da Escandinávistica. Muitos programas de pós graduação do Brasil já contemplaram dissertações e teses na área, como podemos observar neste gráfico reconstituindo as defesas por estado e por instituição:





A seguir indicamos alguns professores integrantes de programas de pós-graduação como possíveis orientadores de projetos de pesquisa para mestrado e doutorado - o critério desta inclusão foram pesquisadores que já orientaram ou atualmente orientam temas relacionados com Escandinavística Medieval ou recepção de temas nórdicos após o medievo.



Área de Ciências das Religiões


Trata-se de uma das áreas com maior crescimento em pesquisas relacionadas com Escandinavística no país, seja em eventos, publicações e redes de pesquisa. A maior parte das dissertações nesta área envolveu Mitologia Nórdica.





Johnni Langer (Programa de Pós-Graduação em Ciências das Religiõesda Universidade Federal da Paraíba; Linha de pesquisa: História das Religiões; temas de interesse: Mitologia Nórdica; Paganismo nórdico pré-cristão; rituais e crenças da Escandinávia Medieval; Magia, feitiçaria e bruxaria na Europa Setentrional; Recepção e ressignificação da Mitologia Nórdica nas artes modernas; neopaganismo nórdico; e-mail: johnnilanger@yahoo.com.br; Lattes). Pesquisador com vários artigos, livros e orientações na área.




Área de Letras


Apesar de ser uma das áreas pioneiras no Brasil em dissertações na Escandinavística, é uma das que tem menos publicações e pesquisas na atualidade, carecendo muito de novas investigações. A grande maioria das dissertações e teses envolveu o tema da Mitologia Nórdica e sagas islandesas.





Álvaro Alfredo Bragança Júnior (Programa de Pós-Graduação em Letras Clássicas daUniversidade Federal do Rio de Janeiro; linha de pesquisa: Estudos Interdisciplinares da Antiguidade Clássica; temas de interesse: Aspectos culturais do mundo clássico e medieval; Mundo germanófono na Antiguidade e na Idade Média; Paganismo e Cristianismo germânico; e-mail: alvabrag@letras.ufrj.br; Lattes). O pesquisador foi um dos criadores do grupo de pesquisa pioneiro na Nova Escandinavística brasileira, o Brathair, no final dos anos 1990.



Karin Voloboeuf (Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da UNESP/campus Araraquara; Linha de pesquisa: História Literária e Crítica; temas de interesse e orientação: Fantástico, romantismo, contos de fadas; e-mail: voloboeuf@uol.com.br; Lattes). Pioneira em orientação da área, com a primeira dissertação de mestrado defendida no Brasil sobre o tema da Mitologia Nórdica, em 2006.



Aparecido Donizeti Rossi (Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da UNESP/campusAraraquara; Linha de pesquisa: História Literária e Crítica; Temas de interesse: Mitologia nórdica e Literatura Anglo-Saxônica; e-mail: aparecido.rossi@unesp.br; Lattes).





Área de História


A área de História Medieval é uma das principais envolvendo as pesquisas de Escandinavística, tendo como figura inicial o historiador Ciro Flamarion Cardoso (para o início da Nova Escandinavística Brasileira a partir de 1997) e a posterior consolidação da Medievística em geral nos anos 2000. A grande maioria das dissertações e teses envolveram a temática do processo de cristianização, política e sociedade no mundo nórdico medieval.




 Fátima Regina Fernandes (Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federaldo Paraná; Linha de Pesquisa: Cultura e Poder; Temas de interesse dentro deste recorte: relações de poder entre as populações nórdicas medievais e as populações autóctones, aculturações, interações culturais da tradição nórdica e latina; e-mail: fatimaregi62@gmail.com; Lattes). Pesquisadora pioneira em orientação na área, com o primeiro mestrado brasileiro em História com o tema da Escandinávia Medieval, em 2008.


 


 Solange Ramos de Andrade (Programa de Pós Graduação em História pela UniversidadeEstadual de Maringá: Linha de pesquisa: História, cultura e narrativas; e-mail: sramosdeandrade@gmail.com; Lattes).




MESTRADOS EM ESTUDOS NÓRDICOS NO EXTERIOR




Islândia


  Uma das opções mais interessantes para quem busca opções de educação a nível de pós-graduação no exterior, encontrará na Escandinávia alguns programas dignos de atenção. Especialmente a Universidade da Islândia (Háskóli Íslands) tem oferecido nos últimos anos algumas opções que agregam uma rede de colaboradores internacionais e a oportunidade de estudos em instituições parceiras, além do contato direto com pesquisadores renomados, sejam pelas atividades cotidianos organizados pelo instituto Árni Magnússon, ou pelas conferências internacionais que usualmente acontecem no campus. Apesar do custo de vida elevado e da burocracia demasiada dificultosa com os documentos imigratórios, a Islândia é uma boa opção como porta de entrada no mundo acadêmico escandinavo.




O centro de Humanidades, em parceria com o instituto Árni Magnússon, oferece duas opções de mestrado, o VMN - Viking & Medieval Norse Studies, e o MIS -Medieval Icelandic Studies. A primeiro tem a duração de dois anos e os alunos possuem a opção de um intercâmbio de seis meses na Noruega, pela Universidade de Oslo, ou na Dinamarca, pelas universidades de Aarhus ou Copenhagen (esta última é destino exclusivo aos alunos que se dedicam aos estudos de manuscritos islandeses, já que a estadia se dá no instituto Arnamagnæan) e as oportunidades de trabalho são vastas, tendo em vista que os alunos terão oportunidades de estudar paleografia, inscrições rúnicas, folclore, arqueologia, além de outros campos acadêmicos relevantes aos estudos em escandinavística. A segunda opção tem a duração de um ano e os alunos realizam todo o ciclo de estudos entre a Universidade da Islândia e o instituto Árni Magnússon.

Apesar dos programas terem sido planejados com a finalidade de explorar o máximo de interdisciplinaridade possível, é inegável que há um maior privilégio aos estudos de linguística e na manipulação de manuscritos. Ambos os programas são conhecidos pelo seu currículo em Nórdico Antigo e em paleografia (são disciplinas obrigatórias, junto a uma disciplina em História Nórdica), além do convívio com especialistas do instituto Árni Magnússon que mantém e conserva uma das maiores coleções de manuscritos medievais referentes ao mundo nórdico medieval da Europa. Novas disciplinas optativas são ofertadas mediante à disposição dos pesquisadores de doutorado e pós-doutorado nas instituições islandesas.

O centro de Ciências Sociais, por sua vez, mantém um programa de mestrado chamado Old Nordic Religion and Beliefs, com um currículo mais enxuto e voltado unicamente para os estudos em religiosidades escandinavas antigas. Os alunos possuem a opção de intercambiar seu currículo com disciplinas dos programas que funcionam em Humanidades (e vice-versa), mas possuem uma exigência maior na hora de produzir a dissertação final (quase o dobro de créditos ofertados). Como os alunos de ambos os centros são encorajados a frequentar disciplinas em conjunto, o ambiente é de plena troca de experiências e de engajamento nas atividades acadêmicas, incluindo viagens ao interior da Islândia e visitações a museus e sítios históricos.



Outros mestrados em estudos nórdicos na Europa:




Universidade de Oslo


Curso de dois anos, ministrado em inglês.





Universidade de Nottingham



 Curso especializado em runologia, literatura e linguagem nórdica medieval.




Universidade de Aberdeen



 Mestrado interdisciplinar, especializado em História, linguagem, literatura, cultura e sociedade nórdica do medievo.




BIBLIOGRAFIA: