O grupo interinstitucional NEVE tem como principal objetivo o estudo e a divulgação da História e cultura da Escandinávia Medieval, em especial da Era Viking, por meio de reuniões, organização de eventos, publicações e divulgações em periódicos e internet. Conta com a colaboração de professores, pós-graduandos e graduandos de diversas universidades brasileiras, além de colaboradores estrangeiros. Filiado ao The Northern Women’s Art Collaborative (Universidade de Brown, EUA) e
à ABHR (Associação Brasileira de História das Religiões). Vinculado ao Programa de Pós Graduação em Ciências das Religiões da Universidade Federal da Paraíba. Registrado no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPQ. Contato: neveufpb@yahoo.com.br


quarta-feira, 28 de junho de 2017

Defesa de mestrado em Mitologia Nórdica na UFPB

 
 
 
Defesa de dissertação em Mestrado (Programa de Pós Graduação em Ciências das Religiões da UFPB):  Nykr, o espírito da água nórdico: Da mitologia ao folclore, de Andressa Furlan Ferreira. Orientação do prof. Dr. Johnni Langer (UFPB/NEVE)
 
Data: 24 de julho de 2017
Horário: 15h

Local: Centro de Educação da UFPB, João Pessoa, PB.
 
Resumo: Este trabalho tem como objetivo analisar o nykr, uma criatura do folclore nórdico, sob uma perspectiva histórico-cultural. Para tanto, fontes escritas e imagéticas são analisadas, com ênfase no século XIX, a fim de se identificar aspectos do imaginário social que permeiam tais lendas e obras de arte do mesmo período. O nykr é um espírito da água metamórfico, caracterizado por habitar corpos d’água e frequentemente associado a mortes por afogamento. O folclore e a arte nórdica do século XIX indicam tanto uma variação nas representações deste ser entre os países da Escandinávia quanto uma continuidade de tradições relacionadas à construção cultural da paisagem cognitiva da água — especialmente no que concerne a rios e lagos. Tais tradições remetem a concepções que podem ser depreendidas da religião nórdica antiga e medieval, posto que apresentam semelhanças com narrativas míticas e evocam uma relação com o ambiente similar ao que era concebido em sociedades pré-industriais. O termo “paisagem cognitiva” é empregado de modo analítico para denotar o meio simbólico que é criado pela ação humana de atribuir significado à natureza e ao meio ambiente. A paisagem cognitiva, portanto, é moldada a partir de crenças e valores sociais. Entre as concepções que permeiam o imaginário acerca de corpos d’água, identificadas neste estudo, tem-se a caracterização destes como zonas periculosas, sedutoras, delimitadoras de regiões e fonte de sabedoria e abundância. O nykr, por sua vez, incorpora alguns desses aspectos e potencializa o temor e o encanto frente a rios e lagos, além de atender à demanda social de comunidades que vivem sua tradição. Cada lenda atende à demanda do grupo que a compartilha, seja no âmbito moral, seja no âmbito religioso, e é possível depreender simbolismos e diferentes percepções de mundo e de ordem social a partir delas.