O grupo interinstitucional NEVE tem como principal objetivo o estudo e a divulgação da História e cultura da Escandinávia Medieval, em especial da Era Viking, por meio de reuniões, organização de eventos, publicações e divulgações em periódicos e internet. Conta com a colaboração de professores, pós-graduandos e graduandos de diversas universidades brasileiras, além de colaboradores estrangeiros. Filiado à ABHR, VIVARIUM e ABREM. Registrado no CNPQ. Contato: neveufpb@yahoo.com.br

terça-feira, 21 de março de 2017

10 romances sobre os vikings

 
 
 10 ROMANCES SOBRE OS VIKINGS
                                      
 Prof. Dr. Johnni Langer (UFPB/NEVE)

Desde que surgiu como gênero literário durante o século XIX, o romance histórico, especialmente o ambientado na idade Média, se tornou uma constante no gosto dos leitores ávidos de reviver o passado. Em especial, ainda neste século, surgiram as narrativas que utilizavam o ambiente, os personagens, a época e o cotidiano nórdico durante a Era Viking, geralmente influenciados pelas sagas islandesas. Mas com a diferença de geralmente retratarem o medievo dentro da visão romântica sobre os vikings, algo que permeia nosso imaginário até hoje. A bibliografia em torno deste tema é muito longa, motivo que selecionamos apenas alguns clássicos e alguns destaques mais recentes, além dos poucos títulos disponíveis em língua portuguesa.
 
 
Capa de edição moderna do romance Eric Brighteyes; ilustração de Lancelot Speed da edição original de 1890.
 
 
 
1. The Saga of Eric Brighteyes

O escritor britânico Henry Rider Haggard, autor dos célebres romances As minas do rei Salomão (1885) e Ela (1886), clássicos do gênero aventura e mistério, também se enveredou pela literatura de temática nórdica. Seu livro The Saga of Eric Brighteyes, publicado em 1890, é o primeiro romance cujo tema é centrado em aventuras da Era Viking. Haggard foi influenciado pelas traduções ao inglês das sagas islandesas, realizadas pelo pré-rafaelita William Morris. No livro, Eric Thorgrimursson (apelidado “olhos brilhantes”), esforça-se para conseguir a união com Gudrid, mas seu pai, o sacerdote Asmund, se opõe ao casamento. Com as intrigas da meia irmã de Grudrid e de uma feiticeira que se apaixona por Eric, o romance é repleto de batalhas e traições, bem ao gosto do público vitoriano.
 
 

 
Capa de edição moderna do romance; cartaz do filme The viking, inspirado no romance
 
 
2. The thrall of Leif the Lucky, a story of Viking days

Em 1902 a escritora Ottilie A. Liljencrantz publicou um dos romances mais influentes nos Estados Unidos, baseado nas sagas do Atlântico Norte e influenciado pelas ideologia da presença nórdica na Nova Inglaterra, incluindo a torre de Newport. Mais tarde, o cinema iria adaptar o livro com o filme The viking (1928), conservando a mescla do referencial cristão, do papel civilizatório do imigrante e da valentia do povo escandinavo, mas destacando essencialmente o “culto” norte-americano em torno da figura de Leik Erikson. 
 

 
Capa da edição original do romance; cartaz do filme The long ships, baseado no romance.
 
3. Röde Orm (Serpente vermelha)

Talvez o mais famoso romance moderno sobre os vikings, traduzido para 23 línguas e adaptado para o cinema em 1964 com o título The long ships. Escrito pelo sueco Frans G. Bengtsson e publicado em 1941, o livro conta a história do viking ruivo chamado de Röde Orm, em suas intrigas pela Escandinávia, Península Ibérica, Rússia e Inglaterra. Röde é sequestrado por um grupo de piratas e vendido para os muçulmanos, onde torna-se mercenário e depois saqueador nas ilhas britânicas. O livro mescla aventura com cenas de humor e drama psicológico.
 
 
 
4. Gerpla: The happy warrior

Em 1952 o islandês Halldór Kiljan Laxness, prêmio Nobel de literatura, puplicou o romance Gerpla, enfocando a Era Viking. O livro de Laxness utiliza as Eddas, diversas sagas islandesas (especialmente Fóstbrœðra saga), para descrever a vida de dois meio irmãos, Thormod e Thorgeir. Ao contrário de Frans G. Bengtsson e dos romances predecessores, Laxness ironiza e satiriza a Era Viking, especialmente o ideal de herói, simpatizando com ideais socialistas. Os vikings do romance são brutos, pequenos, grotesco, cruéis: Santo Olavo, um dos personagens mais importantes da narrativa, é caracterizado como um grande torturador.
 
 
 
5. The Greenlanders

Escrito por Jane Smiley em 1988. Dramatização ficcional dos últimos anos do assentamento nórdico na Groelândia medieval. A narrativa foca na vida de Asgeir Gunnarsson, sua filha Margret e seu neto Gunnar. Ao invés de grandes aventuras e batalhas épicas, Jane Smiley leva o leitor a um mundo de agricultores, sacerdotes e legisladores, de caçadas, festas e longas disputas. Jane Smilley é doutora em estudos nórdicos pela Universidade de Iowa (onde é atualmente professora) e escreveu o prefácio do livro The sagas of ícelanders: a selection (Penguin, 1997).
 
 
 
6. Eiriksdottir: A Tale of Dreams and Luck: A Novel.

Em 1994 a escritora Joan Clark escreveu Eiriksdottir, outro romance baseado nas sagas do Atlântico Norte, centrado na vida da personagem Freydís Eiríksdóttir, criança bastarda de Eiríkr, o vermelho, e meia-irmã a Leifr Eiríksson e uma das mais marcantes personalidades femininas da literatura nórdica medieval.
 
 
 
 
7. O último reino: crônicas saxônicas

O primeiro volume da série crônicas Saxônicas, do escritor britânico Bernard Cornwell (2004). O livro conta a estória de um personagem nórdico na Inglaterra anglo-saxônica e foi adaptado recentemente para a televisão. Para uma resenha mais detalhada deste volume, clique aqui.
 
 
 
 
 
8.  Devoradores de mortos

Livro escrito pelo norte-americano Michael Crichton em 1976 e adaptado ao cinema em 1999 (O 13º. Guerreiro). O escritor funde as narrativas de Beowulf e a crônica do viajante árabe Ibnd fadlan, criando uma narrativa envolvente e cativante sobre o mundo nórdico da Era Viking, mas se aproximando muito mais da fantasia medieval do que do romance histórico.



9. La saga de Yago

Um dos mais conhecidos romances do pesquisador espanhol Manuel Velasco Laguna e publicado em 1999. Na Galícia, o personagem Yago é capturado por invasores vikings e com o tempo torna-se também um membro das expedições marítimas, vivendo diversas aventuras pelo mundo nórdico.

 
 
10. Angus: o primeiro guerreiro

Primeiro livro do escritor brasileiro Orlando Paes (2003), contando a história do clã escocês MacLachlan durante a Era Viking. O livro é repleto de estereótipos, clichês, anacronismos e fantasias que comprometem a qualidade da narrativa.
Para uma resenha mais detalhada deste livro,
clique aqui