O grupo interinstitucional NEVE tem como principal objetivo o estudo e a divulgação da História e cultura da Escandinávia Medieval, em especial da Era Viking, por meio de reuniões, organização de eventos, publicações e divulgações em periódicos e internet. Conta com a colaboração de professores, pós-graduandos e graduandos de diversas universidades brasileiras, além de colaboradores estrangeiros. Filiado à ABHR, VIVARIUM e ABREM. Registrado no CNPQ. Contato: neveufpb@yahoo.com.br

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

O FOLCLORE DAS BRUXAS NÓRDICAS É TEMA DE MONOGRAFIA


As bruxas e a feitiçaria sãos alguns dos temas mais importantes já criados pelo imaginário ocidental. Elas ocupam um espaço importante na fantasia, na literatura e na própria História da Europa - motivos central de inúmeros processos inquisitoriais na modernidade. Demonstrando a sua grande inserção também na Escandinávia, o historiador Maykon Doares Jansen realizou uma detalhada investigação sobre esse tema em sua monografia de História pela UFMA: Entre bruxas e feitiços: um olhar sobre a bruxaria e a feitiçaria nórdica através dos seus contos folclóricos e literatura. A orientação foi desenvolvida pelo professor Dr. Johnni Langer (UFPB/NEVE).
Uma das principais contribuições de Maykon foi estabelecer um diálogo crítico entre as fontes nórdicas pré-cristãs e os referenciais cristãos que se instalam após a conversão até o final do medievo, tendo como foco principal as narrativas folclóricas modernas - que a cada dia vem sendo mais resgatadas como campo de investigação pelos escandinavistas atuais.

Resumo: Através dos conceitos de Carlo Ginzburg, imaginário de Hilário Franco Jr e representação de Bronisław Baczko, além dos estudos dos escandinavistas Johnni Langer e Stephen Mitchell, iremos analisar aspectos da bruxaria e feitiçaria nos Países Escandinavos através da utilização de fontes folclóricas coletadas durante os séculos XVIII e XIX. Faremos uma discussão sobre a Bruxaria e feitiçaria no mundo nórdico e mostraremos a importância dos contos populares como fonte histórica.



A monografia pode ser consultada aqui.