O grupo interinstitucional NEVE tem como principal objetivo o estudo e a divulgação da História e cultura da Escandinávia Medieval, em especial da Era Viking, por meio de reuniões, organização de eventos, publicações e divulgações em periódicos e internet. Conta com a colaboração de professores, pós-graduandos e graduandos de diversas universidades brasileiras, além de colaboradores estrangeiros. Filiado ao The Northern Women’s Art Collaborative (Universidade de Brown, EUA) e
à ABHR (Associação Brasileira de História das Religiões). Vinculado ao Programa de Pós Graduação em Ciências das Religiões da Universidade Federal da Paraíba. Registrado no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPQ. Contato: neveufpb@yahoo.com.br


segunda-feira, 2 de julho de 2018

Primeiro estudo brasileiro sobre Vikings completa 17 anos


 

Em julho de 2001 era publicado o primeiro estudo acadêmico nacional sobre os vikings. A edição número 25 da revista Varia Historia, vinculada ao departamento de História da Universidade Federal de Minas Gerais, publicou o artigo Fúria odínica: a criação da imagem oitocentista sobre os vikings, de autoria de Johnni Langer e Sérgio Ferreira dos Santos.

Apesar da academia brasileira desde o século XIX e XX ter publicado alguns ensaios sobre Escandinávia Medieval, era a primeira vez que se utilizava o conceito de vikings. Os historiadores do império empregaram os termos nórdicos e escandinavos, prática também usual entre alguns estudos brasileiros sobre Eddas e sagas durante a primeira metade do século XX. Também durante a década de 1970 surgiu o livro de popularização Vikings, os senhores do mar, escrito pelo jornalista brasileiro Roberto Pereira de Andrade, mas sem pretensões acadêmicas.

O artigo Fúria odínica teve como meta principal a análise das origens modernas do imaginários sobre os povos nórdicos, concentrando essencialmente a formação artística e literária que os vikings obtiveram durante o Oitocentos. Como consequência desta pesquisa, posteriormente foi publicado o artigo The origins of the imaginary viking, também de autoria de Johnni langer, no periódico sueco Viking Heritage (edição 2, 2002) e o capítulo Rêver son passé, no livro L´Europe des Vikings (Paris: Éditions Hoebeque, 2004). Com grande repercussão internacional, o artigo sueco também foi autorizado para ser traduzido pelo periódico russo Pravda.

Além de sua repercussão internacional com a tradução (ver detalhes aqui), o artigo pioneiro da revista Varia Historia foi importante para a implantação de uma nova geração de pesquisadores e escandinavistas no Brasil, que posteriormente iriam se reunir em torno do NEVE, Núcleo de Estudos Vikings e Escandinavos, criado em 2010.

O artigo Fúria odínica pode ser acessado aqui.