O grupo interinstitucional NEVE tem como principal objetivo o estudo e a divulgação da História e cultura da Escandinávia Medieval, em especial da Era Viking, por meio de reuniões, organização de eventos, publicações e divulgações em periódicos e internet. Conta com a colaboração de professores, pós-graduandos e graduandos de diversas universidades brasileiras, além de colaboradores estrangeiros. Filiado ao The Northern Women’s Art Collaborative (Universidade de Brown, EUA) e
à ABHR (Associação Brasileira de História das Religiões). Vinculado ao Programa de Pós Graduação em Ciências das Religiões da Universidade Federal da Paraíba. Registrado no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPQ. Contato: neveufpb@yahoo.com.br


sábado, 10 de março de 2018

SEXO E SEXUALIDADE NA ERA VIKING




SEXO E SEXUALIDADE NA ERA VIKING
 
“Conceito geral: O comportamento sexual nórdico na Escandinávia Medieval possuía um padrão duplo, tanto antes quanto depois da cristianização. Segundo John Haywood, a sexualidade masculina poderia ser concedida a mulheres adequadamente disponíveis (geralmente com alto status social), enquanto a sexualidade feminina era vista como possessão da sua família e sempre que possível, controlada. Isso não significa que as necessidades sexuais das mulheres não fossem levadas em conta. O sexo era considerado central para o casamento, e o fracasso de um homem em corresponder às expectativas sexuais de sua esposa era motivo de divórcio”. Fragmento do primeiro parágrafo do verbete ‘Sexo e sexualidade’ do DICIONÁRIO DE HISTÓRIA E CULTURA DA ERA VIKING (São Paulo: Hedra, 2017, 800 páginas). Outros temas debatidos neste mesmo verbete: Fontes sobre sexualidade nórdica antiga; Escravas, concubinas e sexo; Sexo, crime e tabu; Conceito de belexa e erotismo; Romance; Pornografia; Sexualidade feminina; Virilidade e satisfação sexual; Promiscuidade; Difamação sexual.

 
O Dicionário está disponível pela Amazon e Livraria Cultura