O grupo interinstitucional NEVE tem como principal objetivo o estudo e a divulgação da História e cultura da Escandinávia Medieval, em especial da Era Viking, por meio de reuniões, organização de eventos, publicações e divulgações em periódicos e internet.
Parceiro do LOFOTR VIKING MUSEUM (Noruega); Centre for Experimental Archaeology and Material Culture (Universidade de Dublin, Irlanda); The Northern Women’s Art Collaborative (Universidade de Brown, EUA), ABHR e PPPGCR-UFPB. Credenciado no CNPQ. Contato: neveufpb@yahoo.com.br

sábado, 10 de março de 2018

SEXO E SEXUALIDADE NA ERA VIKING




SEXO E SEXUALIDADE NA ERA VIKING
 
“Conceito geral: O comportamento sexual nórdico na Escandinávia Medieval possuía um padrão duplo, tanto antes quanto depois da cristianização. Segundo John Haywood, a sexualidade masculina poderia ser concedida a mulheres adequadamente disponíveis (geralmente com alto status social), enquanto a sexualidade feminina era vista como possessão da sua família e sempre que possível, controlada. Isso não significa que as necessidades sexuais das mulheres não fossem levadas em conta. O sexo era considerado central para o casamento, e o fracasso de um homem em corresponder às expectativas sexuais de sua esposa era motivo de divórcio”. Fragmento do primeiro parágrafo do verbete ‘Sexo e sexualidade’ do DICIONÁRIO DE HISTÓRIA E CULTURA DA ERA VIKING (São Paulo: Hedra, 2017, 800 páginas). Outros temas debatidos neste mesmo verbete: Fontes sobre sexualidade nórdica antiga; Escravas, concubinas e sexo; Sexo, crime e tabu; Conceito de belexa e erotismo; Romance; Pornografia; Sexualidade feminina; Virilidade e satisfação sexual; Promiscuidade; Difamação sexual.

 
O Dicionário está disponível pela Amazon e Livraria Cultura