O grupo interinstitucional NEVE tem como principal objetivo o estudo e a divulgação da História e cultura da Escandinávia Medieval, em especial da Era Viking, por meio de reuniões, organização de eventos, publicações e divulgações em periódicos e internet.
Parceiro do LOFOTR VIKING MUSEUM (Noruega); The Northern Women’s Art Collaborative (Universidade de Brown, EUA), ABHR e PPPGCR-UFPB. Credenciado no CNPQ. Contato: neveufpb@yahoo.com.br

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Como estudar os Vikings e a Era Viking no Brasil



COMO ESTUDAR OS VIKINGS E A ERA VIKING NO BRASIL

                                Prof. Dr. Johnni Langer (UFPB/NEVE)

Os vikings definitivamente estão na moda. Aliás, estão quase em qualquer lugar: nos quadrinhos, no cinema, na televisão, na música, nas artes plásticas, na mídia comercial, etc. Muito além de um sucesso momentâneo, diversas pessoas acabam se identificando com a temática nórdica e procuram inserir suas paixões e interesses em algum curso superior que esteja frequentando ou ainda, que tem a meta de frequentar. Neste caso, a maior dificuldade é encontrar material em um país que não possui tradição acadêmica no tema da Escandinávia da Era Viking. O maior intuito deste pequeno ensaio é fornecer alguns parâmetros que possam auxiliar os jovens investigadores em sua jornada inicial pelo mundo nórdico. No início, concedemos alguns elementos bibliográficos. Logo a seguir, algumas considerações sobre temas de pesquisa e no desfecho, possíveis locais para estudo.

1. Como estudar: Fontes e bibliografia secundária

Primeiro teste de capa do Dicionário de História e Cultura da Era Viking


Em língua portuguesa não existem muitos livros a respeito deste tema. A maioria são obras genéricas e pouco detalhadas, algumas inclusive muito desatualizadas. No início, o melhor é sempre possuir uma grande obra de consulta e de referência, neste caso não há nada melhor do que o Dicionário de História e Cultura da Era Viking, que será publicado brevemente pela editora Hedra de São Paulo. Com aproximadamente 900 páginas, o livro conterá 228 verbetes escritos por 33 especialistas nacionais e estrangeiros, além de um prefácio escrito pelo arqueólogo Neil Price. Contando com verbetes específicos sobre localidades, sítios arqueológicos, personalidades e períodos históricos, o dicionário também incluirá conceitos extremamente importantes aos novos pesquisadores, como os verbetes Viking, Era Viking e Escandinávia, discutidos de um ponto de vista conceitual e historiográfico. Algumas entradas envolverão temas pouco discutidos entre os pesquisadores, como Agricultura, Aparência e costumes, Estupro, Suicídio, Sexo e sexualidade, entre outros. A bibliografia apresentada ao final de cada verbete também é extremamente atualizada ou se utiliza de clássicos consagrados da área.



Uma publicação ainda sempre relevante em língua portuguesa é Os Vikings, de James Graham-Campbell, publicado em um único volume pela editora Folio em 2006 e em dois volumes pela editora Del Prado em 1997 (Os Viquingues). Trata-se de um grande atlas cultural da Escandinávia, tratando de sua história, desde o Neolítico até o final da Era Viking, trazendo diversos textos separados sobre sítios arqueológicos, com muitos mapas, fotografias e imagens bem detalhadas. O livro pode ser facilmente adquirido em sebos físicos e virtuais.



Outra obra muito importante como material de referência é The Viking World, editado por Stefan Brink (Routledge, 2012), contendo dezenas de estudos sistematizadores sobre o mundo nórdico, divididos em três grandes temas: a Era Viking na Escandinávia; a expansão nórdica pelo mundo; a relação da Escandinávia com a Europa e suas consequências. Cada capítulo possui farta descrição bibliográfica e com forte referencial arqueológico.

Extremamente importante para todos os pesquisadores é o acesso aos documentos medievais. O Dicionário de História e Cultura da Era Viking possui dezenas de verbetes tratando deste tema, também reunidos na entrada Fontes Primárias. A seguir enunciamos algumas destas fontes analisadas neste referido livro e suas traduções e disponibilidade na internet:



Sagas do Atlântico Norte: uma das poucas obras publicadas no Brasil traduzidas diretamente do nórdico antigo por Theo Moosburger, integrantes da edição Três sagas islandesas (A saga dos groelandeses e A saga de Eirikr Vermelho, UFPR, 2007). Constituem alguns dos textos mais importantes para o estudo da presença e colonização nórdica na América.

A saga de Njál: talvez a mais importante e famosa saga islandesa, constituindo um documento primordial para o estudo da sociedade nórdica durante o medievo. A saga de Njál é disponível em uma tradução integral de Theo Moosburger em sua tese de doutorado (UFSC, 2014),online.



Documentos franceses: O livro As invasões Normandas: uma catástrofe? (Editora Perspectiva, 1997), de Albert D´Haenens, reúne os excertos de 15 crônicas francesas alto medievais relatando ataques nórdicos pela França (entre as páginas 88 e 99). São importantes relatos sobre o impacto nórdico durante a Alta Idade Média europeia.

Crônica anglo-saxã: Uma das mais importantes séries de documentos medievais tratando dos nórdicos e sua presença na Inglaterra. Foi parcialmente traduzido ao português por Robert Taylo, disponível online.

Batalha de Maldon: importante batalha entre vikings e anglo-saxões, traduzida ao português por Glauco Roberti (Dissertação em Letras, USP, 2006).


Sagas de Família (ou dos islandeses): um dos subgêneros de sagas mais utilizadas pelos historiadores, tanto para o estudo da Era Viking quanto da sociedade nórdica medieval. Uma boa coletânea em inglês é The sagas of ícelanders: a selection (Penguin, 2000).

Landnámabok: disponível em tradução ao inglês por Herman Palsson and Paul Edwards (The book of settlements, University of Manitoba, 2007).

Íslendigabók (tradução de Faulkes e Finlay ao inglês disponívelonline). Dois documentos imprescindíveis para o estudo da colonização nórdica na Islândia.


 


Poesia escáldica: uma série de poemas de elogio que possui diversas referências históricas. Em inglês exista a famosa coletânea de Turville Petre (Scaldic Poetry, Oxford University Press, 1976) e em espanhol a de Luis Lerate (Poesia Antiguo-Nórdica, Alianza Editorial, 1993).

Crônica dos anos passados (Crônica primária russa): um dos mais importantes documentos para a história dos nórdicos no Leste europeu. Uma conhecida tradução ao inglês foi realizada por Samuel Cross e Olgerd Wetzor em 1953, disponível online.


Grágás – conjunto de leis islandesas do século XII, muito útil para estudos sobre a sociedade, legislação, política, costumes e tradições do mundo nórdico medieval. Foi traduzido ao inglês em 2007 por Andrew Dennis e Peter Foote (Laws of Early Iceland, University of Manitoba) em dois volumes.


Ibn Fadlan – o mais famoso cronista árabe sobre o mundo nórdico da Era Viking, extremamente importante para o estudo da religiosidade e dos costumes funerários. Recebeu uma tradução ao inglês em 2012 por Paul Lunde (Ibn Fadlan and the Land of Darkness, Penguin).

Historia Norwegiae: um dos mais antigos e importantes documentos sobre a história da Noruega no medievo, originalmente escrito em latim e traduzido ao inglês por Devra Kunin, disponível online.

Historia de antiquitate regum norwagiensium, de Theodoricus Monachus. Outro importante documento sobre a história da Noruega medieval, traduzido ao inglês por David e Ian McDougall, disponível online.



Heimskringla: a famosa história dos reis da Noruega, de Snorri Sturluson, uma série de sagas islandesas do subtipo sagas reais. Possui a clássica tradução de Lee Hollander (University of Texas, 2009) e a nova tradução de Alison Finlay e Anthony Faulkes (dividida em três volumes) e disponível online.



Gesta Danorum: famoso documento sobre a História da Dinamarca, escrito por Saxo Grammaticus. A tradução ao inglês por Oliver Elton (1905) está disponível online.



2. O que estudar: temas para pesquisa

Essa sempre é uma dúvida constante de qualquer graduando que se inicia nos estudos nórdicos. Nunca é fácil opinar a alguém em qual tema deva investigar, mas o mais recomendado é que o iniciante tenha sempre um conhecimento geral sobre a Era Viking, nos seus mais variados aspectos: História, literatura, sociedade, religião e mitologia, Arqueologia, economia, política, etc, com o intuito de poder definir em qual campo vai querer se especializar (como o tempo, é claro). A partir disso, cada campo específico possui seus temas mais originais ou que são pouco conhecidos e difundidos no Brasil. Cabe sempre ao pesquisador ter o bom senso de equilibrar a originalidade com a qualidade na pesquisa. Nem sempre as pesquisas mais recorrentes em um assunto necessariamente esgotam as possibilidades de investigação – novos olhares, novas perspectivas teórico-metodológicas podem contribuir para uma revisão em campos consagrados.

O interessado pode acessar algumas publicações historiográficas que concedem um razoável panorama das investigações conduzidas no Brasil até o presente momento, ajudando em escolher alguns parâmetros nas novas pesquisas: Estudos Nórdicos Medievais: alguns apontamentos historiográficos e Uma breve historiografia dos estudos brasileiros de religião nórdica medieval.

Também os artigos publicados pelos membros do NEVE podem fornecer uma certa base na escolha de novos temas.

https://www.facebook.com/groups/gruponeve


Outro modo de escolher as temáticas, mas também os recortes mais precisos e mesmo as metodologias e opções conceituais é o intercâmbio com outros pesquisadores mais experientes na área. Neste sentido, os interessados podem se filiar ao grupo do NEVE no facebook e utilizar este instrumento para sanar suas dúvidas, seus questionamentos e suas incertezas frente a esse campo.


3. Onde estudar: cursos e programas de pós graduação

A área que possui a maior tradição de conter pesquisadores do mundo nórdico no Brasil é a de História, especialmente devido ao fato da maioria dos cursos de licenciatura e bacharelado possuírem a disciplina de História Medieval, onde parte do conteúdo de Era Viking é vislumbrado. Muitos professores dessa disciplina acabam aceitando a orientação de projetos de iniciação científica e trabalhos de conclusão de curso em temáticas escandinavas.


Do mesmo jeito, muitos medievalistas vinculados a programas de pós graduação em História, Letras e Ciências das Religiões são receptivos a temas nórdicos. A maioria das pesquisas ainda se concentra em temas relacionados a religiosidade e mitologia (ver tabelas finais neste artigo historiográfico), sendo que o programa atualmente com maior quantidade de pesquisas é o da Universidade Federal da Paraíba (Programa de Pós Graduação em Ciências das Religiões).                                                                      

Com o aumento das pesquisas, traduções e publicações, certamente esse panorama deve mudar consideravelmente nos próximos anos, auxiliando ainda mais as futuras gerações de novos investigadores da Escandinávia.